Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As Crónicas da Vítima

As Crónicas da Vítima

O Café Precisa De Pessoas

12.04.22 | Bruno

Acabo de ver no Facebook que o café que frequento está a precisar, novamente, de pessoal. E ainda que já tenha havido quem se lembrou de mim e me marcasse na publicação, ainda não falei com o M. sobre isso, senão numa conversa superficial há uns tempos.

Um dos meus últimos trabalhos de "longa duração" (lamento, mas não tenho conseguido muita estabilidade e, talvez, o problema esteja realmente em mim) foi, também, num café que frequentei durante sete anos. Nos últimos três anos e qualquer coisa daquela gerência e os primeiros meses da nova gerência na altura, não só frequentava o espaço, como trabalhava lá à noite. Se me perguntarem por que é que ainda não falei com o M. em relação a poder vir a trabalhar ali, posso dizer que há dois motivos: um deles, é o facto de conhecer bastante bem e não querer tão bem a algumas pessoas que frequentam o espaço; o segundo, é o facto de que, ainda antes de precisarem de pessoas por ali, numa conversa o M. disse que não costumava empregar pessoas que frequentassem o espaço, exactamente por causa de possíveis más relações entre quem lá fosse trabalhar e outros que frequentassem o espaço.

Ainda que esteja a precisar de recomeçar a trabalhar o mais breve possível, tenho vindo a ganhar uma espécie de filosofia de que trabalhar através de ou para amigos traz mais malefícios do que bem. Como disse, há muito tempo que não consigo estabilidade num trabalho. Os últimos sítios onde trabalhei (ou onde fiz experiência), foi com ou através de amizades e, não tendo aguentado o posto de trabalho, parece que as pessoas ficam muito chateadas ou ofendidas com isso, acabando por ter atitudes menos boas fora do campo profissional, entre deixarem de falar e atirar "boquinhas" parvas. Entendo que quando é um amigo ou conhecido a conseguir um local de trabalho, devemos dar um pouco mais de nós. Por vezes, esse pouco mais de nós não é suficiente para quem gere o local ou, no fim de contas, não somos aquilo que está no menu de quem nos contrata. E está tudo bem.

Há uma pessoa que me arranjou dois trabalhos: um deles, foi no final do ano passado e fui demitido com a desculpa de que estavam a fazer menos horas e não precisavam de ninguém para o horário que eu fazia. Antes de ser demitido com essa desculpa, a mesma entidade assinou um contrato a alguém de manhã e demitiu a mesma senhora ao fim da tarde. Antes de trabalhar com esta "amiga" aqui, fui trabalhar com ela num outro sítio por, supostamente, ela estar a explorar uma pastelaria. Acontece que não só ela não estava a explorar a dita pastelaria, como a mesma estava com uns indianos que pareciam estar a braços com a justiça e onde, todos os dias, tinha lá a polícia à procura de um dos indianos - sem querer mentir, creio que era a polícia fronteiriça. No fim de contas, acabei a trabalhar mês e meio, tendo recusado um contacto da SONAE por conta disso e fiquei sem nenhum dos trabalhos.

Nem sempre é bom trabalhar através de amigos. E é péssimo trabalhar com amigos - algo que, há muito, muito tempo, tinha-me decidido a não fazer. Nem sempre é possível ir para um trabalho de que se gosta, pelo simples facto de que se frequenta o sítio e é uma política da entidade empregadora não contratar quem o faça - algo com o qual concorde. Contudo, talvez decida tentar de qualquer das formas, ainda que não esteja muito seguro disso.

1 comentário

Comentar post